quarta-feira, 21 de julho de 2010

Me poupe, Salgadinho!



Gente, juro. Aconteceu de novo, duas vezes num mesmo dia.
Telefone.
-"Alô?"
-"É do material de construção Andorinha?" (dessa vez a voz era provavelmente da mãe. Voz meio xucra (chucra?), enfim, tosca. Voz de cordas vocais de fumante. Aquela que anotou meu número como sendo da loja, a filha ligou, descobriu que não era aqui, mas meu número ficou ali, rolando na mesinha do telefone)
-"Não, senhora, não é do material de construção"
-"Mas qual que é o número lá então?"
-"Não sei, senhora, não conheço esse lugar!"
PÁ. Na minha cara. Sem nem um "obrigada".

Mesmo dia, mais além:
-"Alô"
-"Bom dia, o Adair está?"
-"Não, não é nesse número."
-"Ahnnn... qual que é então o número dele?"
-"Olha, não faço idéia, não conheço essa pessoa!"
PÁ. De novo.

Eu mereço?

Talvez mereça. Achei lindo quando a GVT se instalou em Curitiba, poucos meses depois Cláudio e eu viemos morar juntos. Números bonitinhos, combinantes. Empresa nova, oferta variada, escolhemos uma combinação bem tipo disk-qualquer coisa. Ótimo, ninguém esquece. Detalhe: é parecido com o número de atendimento ao usuário da Unimed.
Porque você ter um número parecido com o de, sei lá, um escritório, uma empresa pequena, é uma coisa. Ligações em horário comercial e olhe lá. Mas plano de saúde? É ligação no meio da madrugada, "alô?" "oi, minha neta tá nascendo agora, queria saber como fica a cobertura do plano dela!"
Hein?
Gentes, me informei quando tava grávida, por 30 dias, TRINTA DIAS, o bebê pode usar a carteirinha da mãe para internações e consultas, até chegar a dele. Precisa a vó ansiosa ligar às 3:30 da manhã pra saber disso? Por que não tá lá na maternidade esperando fora do centro cirúrgico? Por que a mãe não foi atrás de informações em horário comercial sobre o bebê que estava esperando há 40 semanas?
Enfim, mas aí é engano, passa.
O que ando passada é com esse povo que decidiu que eu sou o Oráculo. Só falta me pedirem biscoitos recém-assados enquanto o Theo entorta colheres ao meu lado.
Mas mudar de número... ai, que gastura!

7 comentários:

jefhcardoso disse...

Que situação!!!
Jefhcardoso do
http://jefhcardoso.blogspot.com

Carola disse...

Hahahaha! O telefone do meu pai um dia pertenceu à Maternidade Santa Brígida, sentiu o drama né! hahahahahaha!

Lorena disse...

O tel daqui de casa é parecido com o da rádio difusora...Nem preciso te contar o naipe das coisas que escuto, né? Muito menos os horários loucos que as pessoas gostam de ligar pra rádio...

Leleca disse...

Hahahahahaha! Eu trabalhei dois meses num lugar que tinha o antigo telefone da Omar Calçados. E nego não quer saber, você pode atender dizendo o nome da empresa que eles mandam "oi, comprei um sapato roxo aí, mas agora o 37 não serve e eu queria ver como fica o crediário". Sério.
Chegou uma hora que a gente dizia que, sim, seu nome está no cadastro de devedores e vamos acionar o SPC. Só de maldade.
Eu já teria mudado o número...

Uli disse...

Ah, Leleca, e o empenho? E esse número já foi o profissional do Cláudio, muita gente ainda o encontra por causa disso.
Comprei um sem fio com identificador, mas ele é tão ruizinho de ler que acabo atendendo a ligação antes de saber quem é. Suuuuper útil.
Vamos levando enquanto isso!

Li: Santa Brígida? Uia, e eu achei que Unimed era ruim!
Lore: rádio difusora? Como assim?
Gentes, reclamei de barriga cheia agora. kkkkk.

CHICO PESSERL disse...

Gagota, esse é um mal que aflige todo usuário de um número de fácil memorização... Você paga o preço. Mas continuo achando que um número fácil de guardar - em função do círculo de amigos pessoais e contatos profissionais que a gente tem - ainda compensa a chateção.
Essas ligações enganadas são eventuais - e tendem a diminuir com o tempo. Liga não... Encara com filosofia!

KIKA disse...

Meu número de telefone há duas coincidências.
A loja de material de construção da minha rua tem o mesmo final, com prefixo diferente.
E uma outra loja em bairro diferente possui o final invertido!
O fato é que eu tenho excelente memória para números,(já passei em frente a essas lojas e facilmente gravei o número)... embora em diversas ligações por engano p/ minha casa, ninguém tenha me perguntado o número correto dos estabelecimentos que procuravam, eu os forneço por sabê-los de cor!
hahaha

Me deu ideia de postar sobre isso no meu também!

Adorei seu blog!!
Virei fã.
Sucesso!
bjs
Kika