segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Vinteonze

Chegou, chegou, tá na hora da alegria. No circo tem palhaço, tem, tem todo dia.

Um ano que já nasceu. Pouco dinheiro no bolso, saúde pra cuidar e proteger!

Hogmanay - Ano-Novo em Edimburgo, Escócia. Um dia ainda passo lá.

Very, very different, this holiday season.


Comecemos: Natal foi na minha casa. Ieii! Me candidatei e bati o pé pra ser aqui. Imaginei tudo saindo no horário, tudo organizado, aquela imagem da perfeição. Nhé. Foi marromenos.
Dividi a cozinha com mãe e sogra, que fazer tudo logo de cara seria utopia demais. Sim, ficou tudo bom, tudo saboroso. Marquei 20:30 com eles. 20:30 estavam chegando e eu escondendo tudo que "não pertencia" em gavetas e buracos providenciais. Uma das condições para que fosse aqui é que a casa deveria estar agradável, sem poluição visual e bagunça (aparente, pelo menos). Corri pro banho enquanto minha mãe tentava fabricar espaços na minha pouca área de trabalho na cozinha para cortar as carnes, organizar as travessas, aquecer tudo no meu fogãozinho 4 bocas e no meu micro-microondas. Mas vamos lá, coração de mãe sempre dá um jeito.
E demos. E 10 adultos e 3 crianças jantaram felizes (um pouco encalorados, but that´s ok), com árvore de natal e tudo mais.
Gostei da experiência, se em 2011 se repetir, espero terminar pelo menos meu banho antes do horário de chegada do povo.
Aí semana seguinte em casa. Theo foi ao museu pela primeira vez (ao Museu Oscar Niemeyer), passamos um frio lazarento e voltamos antes de ver tudo. Calorão, né? Ele de shortinho e camiseta fina, eu de vestido curto, o Cau de bermuda e manga curta. E lá dentro, ar condicionado na veia, devia estar regulado em -5ºC, acredito eu. Tá, talvez não tanto, mas minha percepção parou aí. Congelada. Quando vi o pequeno agarrado no pai, em silêncio pra economizar calorias, pernas arroxeadas, achamos por bem encerrar a visita.
Mas ele adorou, tem falado no museu desde então.

E aí o ano acabou.

Novamente mudando de ares, geralmente estamos na praia pra virada. Esse ano não, Curitiba estava vazia, deliciosamente calma e silenciosa. E ensolarada! Minha mãe se animou, fez uma ceia de ano novo para a gente, ela, meu pai e meus sogros. Jantamos na casa dela, cardápio inspirado, de figos assados a manga salteada no azeite de oliva com vegetais, empadão de palmito e carneiro assado (carneirinho criança, mais macio e com sabor mais suave), enfim, foi farta a refeição. Fiz uma sobremesa com morangos, framboesas e blueberries (mirtilos), nhami. E claro, estava chovendinho à meia-noite, Theo resolveu se assustar e grudou em vários pescoços até os fogos acabarem. Pouco se viu, com a garoa e a fumaça. Mas o clima tava bom, familiar e preguiçoso.
E mais uma semana em casa se seguiu. Até fomos pra Blumenau dois dias, meu pai foi trabalhar e aproveitamos a carona. Casal querido nos recebeu, sempre muito bom. Aí casa.
Muitos seriados e filmes vistos, muita lezeira, muita preguiça. 2 quilos e meio a mais nessas 3 semanas. Ê-lerê.
Delícia!!

6 comentários:

thayspetters.blogspot.com disse...

O seu natal e ano novo não foram muito diferentes do meu. A unica coisa boa é que mantive o regime e perdi mais um quilo! Quase um milagre! haha
:*

leleca disse...

Eu nem sei quem é essa moça aqui em cima, mas ó, ódio de quem mantém a dieta no final do ano. Hahahaha!

O Natal foi na casa da minha irmã, pela primeira vez também. Foi bem bom - exceto pelo fato que a gente resolveu participar de duas ceias e dois almoços e visitar pessoas e sábado à noite eu era um zumbi.

E eu nunca te respondi sobre a lei de Muffin, mas esse era papo de uma amiga minha quando a gente falava de Murphy. Só um ponto de visto fofo, gordo e delícia sobre a vida - infelizmente (ou não, hahaha), não tenho receitas.

Se ainda der tempo, ano novo bem bacanudo procê. ;)

Beijo!

Uli disse...

Hahaha, não chega a dar ódio, mas que é difícil de compreender, concordo. É panetone de Alpino, pavê de sonho de valsa, empadão da mamy´s de massa podre... como assim emagrecer? Mas hoje já comecei a diminuir minhas quantidades de porcaritos. Deve ajudar, né?

harumi disse...

ah, adorei seu final de ano: a comilança e o 'recarrego' de energia, tudo-de-bom, né? :-)
bom vinteonze pra vcs!!
beijocas,
da harumi

CHICO PESSERL disse...

Filhula, esse fim de ano foi legal, sim... Simples, carinhoso, a cidade vazia e calma, os dias tranquilos. E você decreveu muito bem isso tudo!
As coisas não resolvidas até a virada do ano acontecerão em breve, pode escrever - e aí começará um novo capítulo para todos.
Espero que tua cronica de Natal 2011 tenha o mesmo espírito alegre e simpático, porém acrescido de uma maior segurança economica e novas realizações pessoais!!
Beijão!

Lorena disse...

Que delícia, ÚLI!!!
Confesso que demorei a entender o que era "vinteonze"...loira e grávida, sabe como é né?
Tb morro de frio qdo vou ao MON!!! Vejo tudo com pressa, daí chega lá em cima e, se o dia for de sol, me sufoco no olho que fica uma estufa!
Bjs e ótimo ano pra vcs!