quinta-feira, 14 de junho de 2007

O Tempo Não Pára

Hoje passei várias horas com o Pedro, meu sobrinho predileto (e o único, diga-se de passagem). Sempre uma delícia. Está com 3 anos, o pequeno, e sou muito fã das suas descobertas.
Ontem ele dormiu na casa da minha mãe, meu pai estava viajando e foi fazer companhia para a vovó. Hoje minha mãe despertou 07:06 com ele vindo acordá-la, e logo deitou "na cama da vovó". Ela disse que era cedo, que ele deveria dormir mais um pouco, mas pela primeira vez, ele prestou atenção ao rádio-relógio.
-"Vovó! Olha! sete-zero-seis!"
-"Sim Pedro, são 7 e 6 da manhã; durma."
-"Olha!!!! Sete-zero-sete!"..."sete-um-zero!"(gargalhadas sozinho, descobrindo a pólvora)..."sete-dois-dois!"
-"Tá bom, Pedro, vovó já ouviu; quando for 7-4-0 a gente acorda".

Doce ilusão.

-"sete-dois-oito!"..."sete-três-seis!"..."sete-quatro-zero, acorda vovó!"

Ela impassível.

-"sete-quatro-um!", aí arregala os olhos para ela, assombrado: "Vovó!!! O tempo não pára!".

E assim se deu mais uma importante lição para o resto da vida desse pequeno ser.

3 comentários:

Rod disse...

Uma única palavra define esse gurizinho: cinematográfico! Hahaha... :)

Lorena disse...

DEMAIS !!!!

bjo

Kaká disse...

Uli, acredita que ainda não o conheci?? Já´posso imaginar, que delícia!
Beijo, querida!