terça-feira, 23 de junho de 2009

Foi.


Assim que postei, me ligaram da clínica, com más notícias.
Ao que parece, os felinos possuem uma membrana chamada Omento, que é super vascularizada e fica em torno dos orgãos do bicho. Pois então, ela tinha uma neoplasia (câncer) nesse tal de omento. Cheia de grânulos, irrigado por tudo. Sem chance de remoção. Opções? Esperar voltar da anestesia, passar por um pós-operatório dolorido e complicado e a partir daí, só piorar de saúde. Ou... colocá-la para dormir.
Choque. Mas fomos de segunda opção, aproveitando a anestesia e garantindo que a pequena não sofreria mais. Meus pais e eu fomos até a clínica, a medicação da eutanásia já havia sido dada. Corpo ainda meio quente, ela costurada e coberta por uma mantinha confortável, "esperando" seu último cafuné.
Ô, tristeza enorme. Tá doendo. Mas Deus me livre manter minha pipoquinha viva e com dores só pra eu ter mais um tempinho ao lado dela!
Como não temos a menor intenção de visitar cemitério de gatos nem de guardar uma mini-urna com cinzas em cima da lareira, sugerimos doar o corpinho dela para estudo. As médicas disseram que é um câncer muito raro e as universidades têm carência de felinos para estudo. Como ela já está na nossa mente e no nosso coração, acho por bem ajudar os veterinários a aprenderem a diagnosticar esse tipo de doença mais cedo e se possível salvar a vida de outros gatinhos.
E ainda por cima, hoje faz exatos 12 anos que minha avó querida se foi. Ô dia!
Que estejam na luz, ambas.
Amém



2 comentários:

Karoline disse...

Putz, Ermã....que coisa chata. Eu me lembro bem dela das vezes que eu ia dormir na sua casa!!
O último ato de amor que podemos dar para nossos amigos felinos é deixá-los ir em paz, sem sofrimento. Êta decisão difícil, mas sem dúvida nenhuma a maior prova que amamos demais esses fofinhos peludos.....

Rodrigo disse...

:((
Foi a que eu conheci, que gostava de se enfiar na caixa com cobertas?