segunda-feira, 29 de junho de 2009

Querido Diário

Hoje me senti "tipos" Larry, Curly e Moe. All at once. Ô, diacho!

Tranquila, fazendo meu almoço e a sopa do Theo, ele reclamando no cercadinho. Solidão, acho.
Puxei o cadeirão pra cozinha e coloquei lá o pequeno, assim nos faríamos companhia. Nisso toca o telefone na sala. Entre pegar o aparelho e voltar pra cozinha, ele conseguiu se esticar diegohipólitamente e puxar e jogar no chão uma caixa com 12 ovos, mãozinhas já tocando o açucareiro. Next in line.
Tudo bem até aí, quem mandou deixar ovos ao alcance de um bebê? Abro a caixa, um espatifado escorrendo no chão, dois apenas com a casca quebrada. Beleza, estrago pequeno. Na pressa, a manga da blusa derrubou mais um (obviamente não um de casca trincada), direto para o chão. Caiu em grande estilo. E outro caiu na pia. Xinguei Nossa Senhora da Santa Paciência e em movimentos muito rápidos, querendo limpar tudo antes de espalhar mais, derrubei a panela de pressão (sem a tampa, que é pra dar mais emoção) com a sopa pronta dele na pia. Metade se espalhou em cima da louça suja. Agora duplamente suja.
Detalhe: no telefone, era a homeopata confirmando consultas dele e minha para dali a uma hora e meia. Lá, no consultório. E nós aqui, em casa. Ainda sem almoço, ainda sem banho. E com ovos escorridos pelo chão.
Pois muito bem, antes de comer, mamãe caridosa resolve tirar o cocô da fralda do bebê. Com pressa. Ah, a maledetta...
Puxo a fralda com bolotinhas escuras e deixo a mesma cair no chão do quarto. Um ser de 9 meses e sem um pingo de juízo semi-nu em cima de um trocador e seus dejetos rolando pelo piso do quarto. Qual atender primeiro?
Toca o celular. Atendo esse primeiro. O amigo do pai que emprestou uma nota fiscal e usou nossa conta para um depósito e quer que eu anote "as agências e contas" para onde o dinheiro deve ser transferido. "Amanhã, se possível, ok?".
Theo come, ao mesmo tempo engulo minha comida, em etapas. Ele cochila uns 15 minutos, nos quais eu tomo meu banho versão troca-de-pneus-durante-a-corrida-de-F-1, uma mão ensaboando a cabeça enquanto a outra lava o pé.
Heroicamente, chegamos com apenas dois minutos de atraso à consulta. Falo descompensadamente que preciso de homeopatia pra ontem, porque "acho que estou ansiosa". A médica me olha com olhos de compaixão.
Aí lembro que a bateria do carro precisa ser trocada, e por quê não também as palhetas dianteiras? Um pulo na farmácia, pois ainda amamento e minhas vitaminas acabaram. Também vou ao banco, ver se o cheque do homem já compensou pra começar a transferir o dinheiro. E na farmácia homeopática, mandar fazer a lista que a médica recomendou.
Ops, hora do Theo comer. Papinha Nestlé, no carro mesmo. Derrubo a colher cheia de papinha de mamão e laranja em cima da minha blusa. Água pra limpar? Acabou. Uso a da mamadeira. Theo puxa a mesma da minha mão e vira em cima de si. A única roupa, na pressa não levei extras.
Uff. Já cansei. Isso que nem cheguei em casa. Mas já deu pra sentir como é um dia típico na minha wonderful life. Fora trânsito, estacionamentos, flanelinhas-filhos-de-satã-tentando-estorquir-dinheiro-fácil, tira bebê da cadeirinha, põe bebê na cadeirinha... sorte minha, a maior de todas, é ter comigo o menininho mais compreensivo e risonho do planeta. Isso torna tudo mais fácil e consigo rir na maior parte das vezes. Sorrir, pelo menos.
Só faltou a torta de chantilly na cara.



5 comentários:

Ana disse...

Tadinha da minha filhinha!!
Isso me lembrou uma certa manhã de 2ª feira, meados de julho de algumas eras atrás, day after de uma festa de aniversário quando ainda restavam brigadeiros nas cortinas, eu com um espanador preso na orelha direita, uma colher de pau na esquerda, aspirador numa mão, esfregão na outra, um bebê gorducho e fofo pendurado nos meus joelhos e, en passant, vejo pela janela uma boxer loira, correndo ensandecida pelo jardim - molhado da chuva da noite - carregando na boca os farrapos do vestidinho de festa da senhorinha dona da véspera!
Mas a gente sobrevive pois é isso que nos faz fortes.
Força, fia.

Lorena disse...

HAUHAUHA, Ó-TE-MO!
bjs

Carola disse...

Huahuahuahuahuahuahua!!! Na caaaaaaaaaraaaaaa! KKKKKK! Éééééé, rapadura é doce mas não é mole! Tintendo MUITO!

Rodrigo disse...

Uli successfully updated to Super-Uli version. Suspirei. Que fôlego, Abby! Definitivamente uma guerreira.
Theo fez lembrar um (feio) hobby meu de criança: arremessar ovos pela janela. Uma vez lancei duas dúzias na janela da área da vizinha. Shame on me. :(
Saudades... continue arrumando um tempinho pra escrever, pelo menos.

harumi disse...

Uli, cheguei ao seu blog através de amiga-de-amiga-de-amiga, aquele esquema.... e amei! seu blog é ótimo!!
ser mãe é f--, mas acredito que tem as suas (muitas) compensações. mas confesso que vou pensar mais um pouco sobre isso.... hehe.
ganbarê* na sua luta!
beijocas,
da harumi

*em japs, algo como "fooorça,amiguinhoooo!!!"